7.1.09

A pila e o problema do tetra pak

Vejamos até onde se podem estender os tentáculos da estupidez humana: dizem os entendidos que o tetra pak é provavelmente das invenções mais estonteantes que surgiram à face da terra nos últimos anos. Não querendo conflituar com essas opiniões, que acredito verdadeiramente fundamentadas e até mais lucrativas do que a minha, o que me parece crer, visão sincera e perfeitemente empírica, é que o tetra pak é uma invenção do caralho. O artista que se pôs a pensar que salvaria o mundo se inventasse aquela bodega de plástico hermética, que depois de usada se espalma e se manda para reciclar, deve agora estar numa ilha do Pacífico a viver a fortuna que vai amealhando, longe de imaginar as dores de cabeça que já provocou a milhares e milhares de incautos consumidores, como eu. Sou um dos muitos humilhados por esta invenção do Demo.

O Tetra Pak só poderia mesmo ser uma invenção sueca. Uma espécie de IKEA das embalagens de cartolina, na aparência é tudo muito bonito, fácil, barato, mas depois na prática aquela merda dá um trabalho do caraças e nunca ficamos contentes. E o grande problema do Tetra Pak nem está na foda que é espalmar a embalagem sem que aquilo cuspa os restos do líquido que resguardou, mas é a grande aventura de fazer a abertura sem que haja merda.

Não tenho propriamente a capacidade para atrair sexualmente objectos sem vida e profundamente desinteressantes desse ponto de vista, mas o facto é que de cada vez que abro uma embalagem tetra pak ela vem-se nas minhas mãos. Seja leite, sumo, batido de baunilha, aquela merda verte duas ou três gotas inocentes de prazer incontido, e depois esguicha como se não houvesse amanhã, como se tivesse acabado de mandar a queca do século. Depois da primeira esguichadela, não há como controlar, o caldo está entornado e a roupa manchada. Não há copo onde se acerte, não vale a pena deitar a mão ao licor, aquilo é incontrolável.

Não há direito, nunca me senti tão explorado sexualmente como desta forma, nunca me senti tão aviltado, nunca me senti um objecto de tão intenso prazer nas mãos de um objecto tão frio e distante como uma embalagem de tetra pak.

E o que dizem os entendidos? (e quem sou eu para contradizer um entendido!) Uma invenção do caralho. Uma treta de invenção, é o que é!


p.s. e agora perdoem-me, mas tenho de ir ali limpar uma nódoa que me saltou para a t-shirt do Action-Man acabadinha de estrear.


9 comentários:

mf disse...

Eh eh eh eh ...
Ouve... Parti-me a rir... Este é, até agora, o teu melhor post, pelo menos para mim. Abrir uma embalagem nunca mais vai ser o mesmo... LOL

Bruno disse...

O maravilhoso mundo do tetra pak tem muito que se diga, MF, não há vez nenhuma que abra uma destas embalagens aquela merda não se cuspa nas minhas mãos. Há forma de dar a volta ao assunto, abrir o pacote, meter a palhinha lá dentro e sugar como se não existisse amanhã. Queres experimentar?

mf disse...

Isso é, é falta de jeito, meu caro... Eu consigo abrir uma sem deixar cair uma gotinha sequer. Só sai quando eu quero... Mas pronto... Lá está: é jeito... ;)

Cris... disse...

O que acontece, simplesmente, é que um tetra pak está muito bem resolvido com a sua sexualidade, e sabe tirar prazer do simples facto de lhe abrires um cantinho da roupa.

Ejaculação precoce?
Talvez, talvez...não digo que não.

Bruno disse...

Cris, o Tetra Pak está muito mal pensado. Quer seja com abertura fácil, com uma tesourada no canto do pacote, ou seja como for, é impossível que aquilo não se manifeste de sua justiça.

Cris... disse...

E dai?
É um ser afável, desprendido, crinhoso, que te quer apenas salpicar de amor!

Patrícia Villar disse...

Já vi que tens problemas com pacotes!

PS: T-shirt do Action Man...hum, parece-me que temos gostos comuns.

Beijinhos

Bruno disse...

Patrícia, eu gosto mesmo é de pessoas.

Pacotes e Action-Man são utilidades com as quais temos de conviver, mas dispenso-os na minha vida mais íntima. Essa é para quem me quer e me deseja.

Beijinhos

Raquelita disse...

Cara tô morrendo de rir, tava procurando informações sobre esta embalagem posi estoufazendo um trabalho plástico com ela... toda poética e aí encontro esse post... espirituosíssimo... então aí vai o "poema" que fiz para esta embalagem do ponto de vista do meu trabalho:

Hoje sou uma caixa de leite. Ca i xxxa de Le ite completamente violentada.
Sem nenhum respeito cortaram-me cabeça, rasgaram meu estômago. As vísceras? Ah! essas estarão por aparecer aí: nessas caras de "oooh! aah! encontraram uma forma, máforma de dominar o industrial".
... Sou apenas uma caixa de leite, de leite com formol, leite conformado, leite desnatado, desnaturado, tetrapakeado, back e Ado com a velocidade das idéias que se encaixam mais rapidamente que eu - caixa de leite.
(Depoimento de uma ELEGÊ com sua LONGA VIDA abreviada - tomei-a de manhã).

meu e-mail para prosear se quiser rteixeirasouza@gmail.com, abs.