12.3.09

Eu sei como é Foder na Suécia

A Cris recordou-me uma cidade que provavelmente sempre que tenta candidatar-se a fundos da União Europeia vê as propostas reprovadas em peso pelos deputados portugueses.

Em 1997, numa viagem entre Malmö e Estocolmo, fiquei a saber como é Foder na Suécia.

Quando o comboio se imobilizou na estação e desviei os meus olhos para o que se passava do lado de fora da janela, estava longe de imaginar que algum dia escreveria sobre isso na blogosfera. Ao primeiro olhar, não quis acreditar. Ao segundo, também não. E ao terceiro, já estava com o dedo no gatilho a tentar registar o instantâneo.

Mergulhei nos arquivos de fotos em papel que tenho cá por casa, a tempo de resgatar algumas dessa viagem, e confirmei as duas suspeitas: a de que tinha tirado uma fotografia à passagem por lá, e a de que não tinha ficado grande espingarda.

A máquina que me acompanhou naquela viagem não dispunha das comodidades que as mais modernas apresentam; sem focagem automática, sem a possibilidade de mexer numa série de parâmetros, funcionamento totalmente mecânico, como se queria então. E este foi o resultado de uma fotografia esforçada na estação de comboios de Foder, até porque cada rolo tinha apenas 24 ou 36 fotografias e havia que poupar nos disparos:















(Como não disponho de um scanner, o que fiz foi fotografar a fotografia, por isso fica a ideia de que os objectos poderão estar ligeiramente inclinados.)


É difícil perceber o que está escrito naquela pequena placa, mas se aproximarmos um pouco o olhar verificamos que esta é uma terra que só é possível amar:















(Se clicarem nas fotos poderão vê-las em maior detalhe.)

Pois, se há de que me posso orgulhar é de saber como é Foder na Suécia.

Além de o conhecermos por ser o país do IKEA, a Suécia é um país também reconhecido por estar na vanguarda de tudo quanto são modificações sociais em prol do indivíduo: é onde as mulheres já concorrem de igual para igual com os homens em cargos de decisão, é onde o sistema de segurança social funciona, é o país onde Foder combina bem com a toponímia local.

Portanto, a próxima vez que alguém lhe disser "vai para a tua terra", o melhor mesmo é não ficar ofendido por isso, poderia ser bem pior se tivesse nascido em Foder e estivessem sempre a mandá-lo para lá. Talvez por isso se diga que os habitantes desta localidade são e serão sempre os fodidos.

E já sei como é Foder? E vocês? Ah, e sim, acreditem, é verdade aquilo que escreve no título.

9 comentários:

alfabeta disse...

ahahah, eu não gostava de lá ter nascido, não!


:)

Cris... disse...

Ah, então acreditemos que aquela tua viagem foi produtiva!

;P

Fernando Coelho disse...

ora ai está o paraiso dos politicos... ao menos nessa terra o presidente da camara pode foder á vontade os seus eleitores que eles nao se importam...

...será que alguem pode informar os nossos que a nossa terra nao tem o mesmo nome, por isso eles que deixem de por a mao no nosso bolso????

Bruno disse...

Alfa,
eu vi Foder através de um vidro.
A minha visita a esta localidade foi como ir a peep-show.

Bruno disse...

Cris,
A Suécia é bonita, e com Foder melhor ainda.

A verdade é que nunca mais voltei a Foder.

Bruno disse...

Fernando,
tu que percebes alguma coisa de futebol, lembras-te daquele mítico jogador alemão de nome Foda?

Uma vez fui ver um Portugal - Alemanha ao Estádio da Luz, o Foda ia jogar, quando anunciaram o nome dele nos altifalantes do estádio imagina a reacção de todos aqueles índios da bola.

Fernando Coelho disse...

Bruno

lembro-me perfeitamente... aliás, na altura em que vi isto foi precisamente do que me lembrei...

nome oficial: FRANKO FODA...

felizmente nao era daquele clube que nao irei mais pronuciar o nome, mas que em 2 semanas me causou 12 desgostos seguidos....

Cris... disse...

Nunca mais voltaste a Foder?
Mas voltarias???

ahahahahah

Bruno disse...

Acho que voltaria a foder de bom grado. Agora, tenho-me dedicado mais a fazer o Amor. Ah, mas estava a falar de Foder, da terrinha...

Sim, era capaz de lá voltar. E se houvesse alguma sueca que me mostrasse como é... a terra.