13.12.09

Benfica e o génio de Jorge Jesus

O Benfica joga, o Benfica goleia, mas no meio do tango dançado a compasso pressente-se um volteio de tragédia: para Jesus, o título nacional é cada vez mais uma miragem.

O Benfica arrisca passar o Natal no terceiro lugar do campeonato, atrás de Sporting de Braga e Futebol Clube do Porto. Muitos serão levados a questionar que motivos profundamente irracionais levam o adepto benfiquista (aquele adepto tão dado a viajar entre estados de fúria e momentos de êxtase), desde uma fase tão precoce da temporada, a manifestar uma histeria tão desmedida e um elogio unânime e inquestionável ao cavalo branco, Jorge Jesus. Estranho a euforia que reina nas hostes encarnadas e os epítetos com que a visão acrítica da imprensa desportiva cataloga o desempenho dos jogadores do Benfica nesta edição da liga.

Na próxima jornada o Futebol Clube do Porto visita Lisboa. Uma vitória dos azuis empurra o clube do milhafre para o lugar mais baixo do pódio. Se nos lembrarmos que na época passada o Benfica conquistou o título fátuo de campeão de Inverno – uma evolução daquilo que tinha sido nas épocas anteriores o abono familiar do museu encarnado, a recorrente conquista do título de campeão do defeso –, é lícito concluir que, em período homólogo, a performance do mal-amado Quique Flores quedou-se uns valentes furos acima do desempenho, para já vago, do idolatrado Jorge Jesus. Na última temporada, Quique Flores chegou ao final da primeira volta em primeiro lugar; este ano, Jorge Jesus arrisca-se a ultrapassar a metade da época numa pouco prestigiante e frustrante terceira posição.

Não há que enganar: se um se destaca pelo intenso esbracejar, por mascar maços inteiros de pastilhas super-gorila de uma forma quasi desbragada, já o espanhol, senhor de patilha grossa e filho de boas famílias, distinguia-se pelo porte fleumático, que em Portugal o terá levado a conquistar uma Taça da Liga com o peito, e uma Orsi com um par deles.

A fauna benfiquista está em alerta, mas, passe o que passar, a tribo dos pastilhas já conquistou o seu campeonato, e Jorge Jesus um lugar na História. Se o Futebol Clube do Porto vencer no próximo fim-de-semana no Estádio da Luz, todos têm razões para ficar contentes. O FC Porto porque arrisca ser líder, o Sporting de Braga porque pode manter-se em segundo lugar lutando por uma posição de acesso à Liga dos Campeões, o Benfica porque o terceiro lugar é um dos primeiros da fila e a equipa está a jogar um futebol brilhante à Mister Jesus... e o Sporting porque se mantém acima da linha de água.

Há fenómenos que eu não entendo. E um deles é este, o de encomendar com esta antecedência as faixas de campeão, mesmo antes sequer do meio da temporada.

Nota final: das bancadas do Estádio do Dragão, os petizes gritam para dentro do relvado, chamam pelos ídolos, chamam pelo Hulka!

(para quem não gostou nada do que leu neste texto, pode sempre espreitar este outro em que me entretive a escrever apenas maravilhas sobre o Benfica.)

4 comentários:

am disse...

Bruno
Peço-te autorização para colocar este texto com a devida referência ao autor e respectivo blog, no meu cantinho.
Abraço

am

Bruno disse...

Autorização concedida.

Um abraço.

Tiago disse...

mas afinal só há um cenário possível no próximo clássico??

"Na próxima jornada o Futebol Clube do Porto visita Lisboa. Uma vitória dos azuis..."

"Se o Futebol Clube do Porto vencer no próximo fim-de-semana no Estádio da Luz..."

e como é possível ainda se usar o chavão de o Benfica ter encomendado as faixas de campeão ano após ano?? mas quem é que anda a gritar pelo penta desde o fim do campeonato anterior!!

Bruno disse...

Caro Tiago,

É um "supônhamos". Se o Benfica ganhar, ou se empatarem, o campeonato prossegue e tudo pode acontecer.

Se o Porto ganhar perspectivam-se tempos complicados para o Benfica. O FCP costuma embalar nesta fase da época, e o Benfica costuma ceder.

Não tenho ouvido os adeptos do Porto gritar pelo Penta, até porque têm estado longe do 1º lugar. Mas tem-se ouvido os adeptos do Benfica fazerem a festa antes do tempo, apeasar de ainda não terem descolado da concorrência.

O que me faz confusão é porque é que o Quique era mal-amado quando ia à frente, e o JJ é elogiado. A equipa joga bem e goleia, mas apresenta evidentes fragilidades defensivas. Para ganhar títulos não basta atacar bem.

Vamos ver como corre.